MATÉRIA 04.Still266

Membros do Comitê de Emergência e Gestão da Crise Hídrica do Município de Caratinga são empossados e possibilidade da volta do racionamento na cidade é levantada

5 nov, 2015 • Destaque, Jornal Regional, Telejornal

Foram empossados na manhã desta quinta-feira (05), no Gabinete do Prefeito, os 34 membros titulares e suplentes do Comitê de Emergência e Gestão da Crise Hídrica do Município de Caratinga. O comitê tem como finalidade o intercâmbio de informações e o planejamento de ações conjuntas de órgãos municipais, sociedade civil e diversas instituições.

A dimensão da crise hídrica e climática que ameaça o abastecimento de água em Caratinga gerou a necessidade da criação desse comitê.

De acordo com o prefeito de Caratinga Marco Antônio Junqueira, o comitê oficial é formado pelos secretários das pastas responsáveis pelo setor e todos os outros são adjuntos, convidados a participar de reuniões e apresentar sugestões. Igrejas, órgãos da educação, diversas outras instituições e entidades, o comércio, enfim, todos aqueles que têm interesse em tomar atitudes e medidas de médio e longo prazo foram convocados.

Marco Antônio falou sobre as frentes que nortearão os trabalhos: “Nós vamos acompanhar as questões legais, o que envolve a concessionária Copasa – quais medidas estão sendo tomadas e em que prazo será feito. Nós já temos uma proposta feita e acordada da transposição do Rio Preto que é uma medida a médio prazo, para o próximo verão. Então acompanharemos a licitação da obra e o início da construção. Nós também estaremos cobrando e vendo de perto os projetos que a fornecedora de água tem – a longo prazo, porque ela ainda tem 13 anos de concessão – o que ela vai projetar para Caratinga (em termos de barragens), emfim, o que ela desenvolverá. E a parte do poder executivo é, através de decretos, portarias e leis, mudar o comportamento, a postura de todos em relação à crise hídrica.”

Esse comitê vem orientar em relação às medidas preventivas e dar sustentação as ações do executivo juntamente com o legislativo e até mesmo nas mudanças culturais. O papel da prefeitura é buscar soluções e acompanhar as responsabilidades.

De acordo com o Gerente Regional da Copasa de Caratinga, Albino Júnior, a concessionária, emergencialmente, está perfurando poços profundos na cidade, em vários pontos estratégicos, mas, segundo ele, a região não tem uma boa vocação hídrica – com relação a água do subsolo. Três poços já foram perfurados mas sem vazão significativa. Albino ainda disse que: “Mais de 150 municípios estão em estado de emergência em Minas Gerias. Uma série de cidades encontram-se em condições críticas no abastecimento mas há também uma situação muito grave na zona rural em relação à agricultura. Por isso, o comitê é um importante colegiado para que seja discutido de uma forma mais ampla uma série de ações que possam ser desenvolvidas para que o impacto da crise hídrica seja minimizado.”

Apesar do aumento da água do Córrego do Lage no dia 22 de outubro, como não houve chuvas significativas depois a vazão voltou a cair. Com isso, há a possibilidade da edição de um novo decreto de emergência – com ações mais severas – e um possível retorno do racionamento.

Comentários

Posts Relacionados