13226850_994422177273531_2851625432281401032_n

CONTA DE LUZ MAIS CARA PARA MINEIROS DE 774 MUNICÍPIOS. CONSUMIDOR RESIDENCIAL TERÁ REAJUSTE DE 4,21% NAS TARIFAS DE ENERGIA ELÉTRICA DA CEMIG A PARTIR DO PRÓXIMO SÁBADO

25 maio, 2016 • Destaque, Telejornal

Os consumidores de energia elétrica da Cemig, de Minas Gerais, terão um reajuste médio de 3,78% na conta de luz. Para o consumidor residencial, especificamente, o efeito real será de 4,21%. O aumento foi aprovado na última terça-feira (24) pela diretoria colegiada da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Consumidores de alta tensão terão reajuste de 2,06%, enquanto aqueles de baixa tensão terão aumento de 4,63%. O reajuste, que tem validade de um ano, passa a valer a partir do próximo sábado, valendo até maio do ano que vem.
A Companhia Energética de Minas Gerais informou que a tarifa visa assegurar às distribuidoras receita suficiente para cobrir custos operacionais eficientes e remunerar investimentos necessários para expandir a capacidade e garantir o atendimento com qualidade da população. Os custos e investimentos repassados às tarifas são calculados pela Aneel.
A Aneel atua para que as tarifas sejam compostas por custos eficientes, que efetivamente se relacionem com os serviços prestados. Esse setor é dividido em dois segmentos: transmissão e distribuição. A transmissão entrega a energia à distribuidora; a distribuidora, por sua vez, leva a energia ao usuário final.
Quando a conta chega ao consumidor, ele paga pela compra da energia (custos do gerador), pela transmissão (custos da transmissora) e pela distribuição (serviços prestados pela distribuidora), além de encargos setoriais e tributos.
De acordo com nota enviada pela Cemig, do valor cobrado na fatura, apenas 21,4% ficam na Cemig Distribuição e se destinam a remunerar o investimento, cobrir a depreciação e o custeio da Concessionária. Os demais 78,6% são repassados para cobrir a compra da energia (28,7%), encargos setoriais (18,3%) e encargos de transmissão (2,9%), ICMS (22,1%) e Pasep/Cofins (6,5%), que são custos repassados aos governos estadual, federal e outros agentes do setor elétrico.

Comentários

Posts Relacionados