18010481_1284037134978699_4337743153945122146_n

Vereador Sérgio Condé denunciado pelo MPMG por corrupção passiva e concussão é afastado do cargo

26 abr, 2017 • Acontece, Destaque, Telejornal

Conforme denúncia, agente político exigia e solicitava dinheiro de servidores ocupantes de cargo comissionado como condição para mantê-los na função

A Justiça mineira recebeu denúncia oferecida pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) contra um vereador de Caratinga, no Vale do Rio Doce, e determinou o afastamento do agente político do cargo. O réu foi denunciado pela prática de corrupção passiva e concussão, em 2015 e 2016, quando era presidente da Câmara Municipal.

Conforme a denúncia, o vereador Sérgio Condé fazia com que servidores comissionados da Câmara Municipal lhe entregassem, todos os meses, parte dos vencimentos recebidos por eles, como condição para que continuassem trabalhando no legislativo do município.

A propina era entregue, em espécie, no gabinete do político na Câmara Municipal, todos os meses, logo após o recebimento dos vencimentos de alguns servidores comissionados, sendo comprovado que uma das vítimas que não aceitou a exigência foi exonerada na semana seguinte.

De acordo com o promotor de Justiça Mateus Beghini Fernandes, “a sociedade já não mais tolera a corrupção e vem, cada vez mais, trazendo ao conhecimento das autoridades notícias desses crimes, o que possibilitada a responsabilização dos envolvidos”.

Afastamento

Além da suspensão do cargo de vereador até o final do processo, a Justiça acatou o pedido do MPMG de sequestro de R$15 mil da conta bancária do réu para indenização das vítimas que tiveram que repassar parte do seu salário ao político, bem como o de busca e apreensão na casa do vereador e na Câmara Municipal. Os mandados foram cumpridos nesta terça-feira, 18 de abril, tendo sido apreendidos celulares e computadores.

O acusado foi proibido, também, de manter contato, por qualquer meio, com as vítimas, as testemunhas do processo e os familiares dessas pessoas, devendo manter distância de 300 metros delas.

Informações: Ministério Público de Minas Gerais/ Superintendência de Comunicação Integrada

18010481_1284037134978699_4337743153945122146_n

Comentários

Posts Relacionados